Um bocadito para lá das aparências
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostky - 15

2ª Fase – Pensamento por complexos – Que apresenta 5 variações. Ao atingir este nível, a criança já superou parcialmente o seu egocentrismo. Já não confunde as relações entre as suas próprias impressões com as relações entre as coisas – um passo decisivo para se afastar do sincretismo e caminhar em direcção ao pensamento objectivo. Podemos dizer que no pensamento por complexos, a criança apresenta já tendências para a abstracção, que se manifestam no modo como tende para a organização dos dados factuais do mundo concreto. A organização por complexos é o primeiro esboço de generalização, embora ainda longe da tendência para a unidade que caracteriza o conceito abstracto. Nesta fase, a criança ainda não tem a capacidade para isolar o atributo conceptual característico do conceito segundo unidades abstractas e independentes, que se relacionam entre si segundo operações exclusivamente mentais. O pensamento por complexos carece ainda da abstracção lógica que permite ordenar os diferentes elementos segundo um único atributo, independentemente dos factos concretos. Neste tipo de organização está patente a dependência que a criança mostra relativamente às imagens facultadas pelos sentidos. O acto de relacionar está sempre dependente de uma interacção prática. É por esta razão que as ligações que unem os elementos de um complexo ao todo, e entre si, podem ser tão diversas quanto os contactos e as relações que de facto existem entre os elementos. Para melhor ilustrar o seu ponto de vista, Vigotski estabelece um paralelo entre a organização por complexos, e o agrupamento por famílias que todos nós conhecemos. A típica organização por nomes de família agrupa elementos em torno de um núcleo. O pensamento por complexos, característico da fase de desenvolvimento pré-escolar, assemelha-se bastante a este tipo de agregação (que regra geral subsiste em muitas das operações mentais dos adultos) – nesse estágio do seu desenvolvimento, a criança pensa, por assim dizer, em termos de nomes de famílias; o universo dos objectos isolados torna-se organizado para ela pelo facto de tais objectos agruparem-se em famílias separadas minimamente relacionadas. A criança tende a organizar os vários elementos em torno de um núcleo que pode variar na exacta proporção em que os objectos podem ser predicados. No decurso das suas experiências, Vigostki apurou cinco tipos de organização por complexos:


A. Complexo de Tipo Associativo

B. Associação por Colecções

C. Complexo em Cadeia

D. Complexo Difuso

E. Complexo de Organização por Pseudo-Conceitos




publicado por Transbordices às 18:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Frango???

A Volta

O Vidrão

A Culpa?

A convicção

No princípio

Melhor que isto...

...

Será que agora vai?

Cá estamos

Estou Armado ao Pingarelh...

Do Mito à Natureza

A Vontade do Saber

O que é a Ontologia?

...

A Multa

A Marca

O Tempo visto por quem di...

Limites

...

arquivos

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO
subscrever feeds