Um bocadito para lá das aparências
Quarta-feira, 6 de Junho de 2007
Serviço Público

Hoje vi um buraco na estrada e um sinal de trânsito vandalizado. Mais adiante um semáforo controlado por radar que dispara aos 45 km/h e não aos 50 como devia. Estas observações levaram-me a pensar no serviço público que temos em Portugal. Certamente que haverá nas câmaras municipais serviços de atendimento especializados para inventariar e recolher precalces e avarias deste género. Se existem desconheço, mas presumo que sim. Mas caso existam, pecam pela escassa publicitação. Este seria um anúncio que ficaria muito bem na tv – a linha directa de intervenção do cidadão com vista á melhoria das condições da via pública. Caso os cidadãos aderissem em massa à denúncia destas pequenas falhas, o sistema poderia intervir muito mais rapidamente na sua resolução, e assistiríamos a uma melhoria das condições gerais de habitabilidade do País. E quem diz denúncia de pequenas falhas também diz sugestões, sugestões que pudessem servir para resolver problemas que só quem os vive diariamente na pele sabe que existem, e consequentemente a melhor forma de os colmatar. Mas deixe-mo-nos de ilusões. Como já disse, imagino que existam serviços desse género já institucionalizados, mas também imagino a carga burocrática que estará inerente à sua utilização. O preenchimento de papelada desnecessária sempre me intimidou, provavelmente não só a mim...


Uma coisa leva à outra e continuei com as minhas cogitações. Assiste-se nos tempos que correm a um crescendo da manifestação da opinião pública relativamente a diversos assuntos que embora estejam sob a alçada do estado não deixam por isso de ser discutidos e debatidos por todo o lado. E na realidade ouvem-se muitas opiniões que poderiam e deveriam ser consideradas. Os nossos governantes poderiam aprender bastante com alguns dos depoimentos que por aí circulam, assim como os técnicos encarregues da prossecução dos projectos. Resta então considerar a melhor maneira de fazer estas vozes chegarem às camadas superiores de gestão. O maior problema é o imenso número de vozes que têm pretensões a ser ouvidas. Destas, um grande número será para ignorar, visto não terem a importância suficiente para sequer serem consideradas - por vários motivos que não vou enumerar, deixo isso ao cargo da vossa imaginação. Imagine-se agora o volume de trabalho que não representaria ouvir e apurar todo este manancial de opiniões, assim como os recursos humanos que não seriam necessários para levar as camadas superiores de gestão a considerar cada uma das opiniões de cada um dos cidadãos interessados em manifestar-se e trocar pontos de vista. Não será que um projecto deste género seria ainda mais complicado e envolveria mais recursos do que a própria governação do País? Seria titânico.


E pensei ainda... E os treinadores de bancada? Essa espécie que abunda no nosso jardim à beira-mar-plantado, o tal País dos brandos costumes? Será que os clubes estariam interessados em criar a linha directa dos conselhos da táctica perfeita? Então sim, seria ver a malta, de dedo no ar, a indicar a melhor substituição na melhor altura, a definir as contratações da pré-temporada, etc, etc, numa azáfama delirante, levando o clube à vitória total...



publicado por Transbordices às 19:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Frango???

A Volta

O Vidrão

A Culpa?

A convicção

No princípio

Melhor que isto...

...

Será que agora vai?

Cá estamos

Estou Armado ao Pingarelh...

Do Mito à Natureza

A Vontade do Saber

O que é a Ontologia?

...

A Multa

A Marca

O Tempo visto por quem di...

Limites

...

arquivos

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO
subscrever feeds