Um bocadito para lá das aparências
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostki - 14

1ª Fase – Agregação Desorganizada ou Amontoado – Este é o primeiro passo para a resolução de problemas que um adulto resolveria com a formação de um novo conceito. Este amontoado, que revela a ausência de uma real capacidade de organização, revela uma extensão difusa e não direccionada do significado do signo (palavra artificial). Nesta fase, a palavra nada mais é do que um conglomerado vago, que forma uma imagem na mente da criança. A esta tendência que as crianças têm para a agregação desorganizada designou Claparede por “sincretismo”. Esta desorganização inicial do pensamento infantil tem por compensação o elo comum que consiste na similitude entre o modelo (adultos com que se relacionam) e o objecto concreto. É a partir deste elo que a evolução do pensamento infantil modela e organiza o sentido semântico, pois de outro modo, certamente que evoluiria para soluções de significação divergentes e autistas – os significados dados a uma palavra por um adulto e por uma criança em geral coincidem, por assim dizer, no mesmo objecto concreto, e isso é suficiente para garantir a compreensão mútua. Destaque-se, uma vez mais, a relevância que Vigostki atribui às relações interpessoais e aos factores de enraizamento sócio-cultural no processo geral do desenvolvimento cognitivo. Não poderemos deixar de reafirmar e invocar redundante e ciclicamente este axioma fundamental nas teorias de Vigostki. Voltaremos a falar nele.


Esta primeira fase divide-se em três estágios; 1) Estágio de “tentativa e erro” - no qual a criança cria grupos de objectos ao acaso e sem qualquer organização mental aparente para os mesmos – pensamentos ainda sem sentido ou significado. Quando o experimentador diz que o nome do objecto não corresponde, a criança simplesmente pega noutro ao acaso; 2) Organização do campo visual - na qual o critério parece ser o da simples disposição espacial dos objectos; 3) A criança distingue de entre o conglomerado alguns objectos, embora não lhes imprima uma forma explícita de organização – continua a ser um conglomerado, embora represente já um esboço de organização, que antecede a transição para a fase seguinte.



publicado por Transbordices às 17:15
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostki - 13

3.1 Breve Exposição da Fase Pré-Conceptual do Pensamento na Infância.


      Até que a capacidade para o pensamento conceptual surja plenamente desenvolvida, Vigostki sugere três fases que o antecedem e preparam. Estas ilações são produto das observações decorrentes do seu estudo experimental. A experiência levada a cabo por vigostski privilegiava o método de observação induzida e o objectivo pautava-se pelo estudo da relação entre o desenvolvimento da linguagem e a capacidade de pensar conceptualmente por abstracção, ou seja, a capacidade para formular e pensar de acordo com generalizações independentes das imagens e das relações factuais com o meio físico. As experiências de Vigostki partiram do pressuposto que a capacidade de organização da criança estaria directamente relacionada com o estado do seu desenvolvimento, e que o seu desenvolvimento seguiria ao ritmo da evolução das suas capacidades de organização. Deste modo, dispunham-se objectos com características específicas (semelhanças e diferenças basicamente) de modo a observar os resultados práticos das crianças quanto à organização da disposição dos objectos e consequentemente, ao seu modo natural de raciocínio e aos factores ou atributos a que davam mais relevância no acto de colectar e organizar mentalmente os dados ao seu dispor. A capacidade de generalizar será portanto o factor fulcral nas experiências de Vigostski, que por sua vez se relaciona com a capacidade de abstracção, ou seja, pensar por meio da linguagem sem recurso a imagens ou dados factuais concretos. Vigostki traça uma clara analogia entre o desenvolvimento da fala e os progressos na capacidade da organização intelectual nas crianças – quanto mais sofisticado é o grau de generalização, maior o domínio geral das competências linguísticas, sendo que a aquisição gradual da linguagem consiste no factor determinante de todo o processo do desenvolvimento. Como já foi dito, até que o pensamento conceptual se torne possível, a criança passa por três fases distintas de desenvolvimento:


 

1ª Fase – Agregação Desorganizada ou Amontoado

2ª Fase – Pensamento por complexos

3ª Fase - Desenvolvimento da Capacidade de Abstracção


Atentemos cada uma delas em pormenor de seguida




publicado por Transbordices às 22:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostki - 12

(...)  LINGUAGEM, FORMAÇÃO DE CONCEITOS E GÉNESE DO PENSAMENTO - Continuação...


As conclusões dos estudos realizados pela equipa de Vigostki em mais de 300 sujeitos, entre os quais crianças, adolescentes e adultos de ambos os sexos, podem ser assim resumidas:


     - Os processos que levam à formação dos conceitos e das formas mais abstractas da ideação só na puberdade se completa, embora desde muito cedo a criança possua processos semelhantes que se transformam gradualmente até atingirem o seu pleno desenvolvimento. Os estudos de Vigostki visam precisamente a investigação do percurso evolutivo da estrutura embrionária que leva à possibilidade do conceito. A formação de conceitos será uma actividade que engloba todas as funções intelectuais básicas, sendo que não poderá ser resumido à associação, à atenção, à formação de imagens, à inferência ou às tendências determinantes – todas em conjunto, acrescidas da relevância do signo e da palavra, consistem na solução que Vigostki propõe para o problema que investiga, ao contrário de seus predecessores que defendiam soluções mais redutoras. O meio ambiente será também fundamentalmente determinador, pois sem o estímulo directo dos novos problemas a resolver, o indivíduo será atrofiado e o seu desenvolvimento sofrerá um atraso considerável, senão irremediável. A formação dos conceitos, e consequentemente a capacidade de raciocínio abstracto, será fruto de uma experiência mediada pela moldura sócio-cultural que instigará relacionalmente primeiro a criança em desenvolvimento, e futuramente o adolescente em formação, já plenamente capaz de pensar e raciocinar por puros conceitos. Nestas fases mais adiantadas de desenvolvimento intelectual, não se alcança um novo patamar inexistente até então como defendido pela tradição – todas as estruturas pré-existentes se fundem para tornar possível a nova competência (pensar por abstracção, ser capaz de diferenciar o conceito “isto” do objecto que “isto” designa, atingir a capacidade de compreender a generalização independentemente das causas factuais). Neste processo de desenvolvimento, a escola terá uma importância fundamental (como veremos adiante), já que os conceitos científicos induzidos se revelam como um instrumento que acelera a tomada de consciência da própria capacidade de abstracção e de generalização. O processo é acelerado pela tomada de consciência de realidades que de outra forma a criança não poderia descobrir por si só, ou então demoraria muito mais tempo .



publicado por Transbordices às 16:43
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostki - 11

3. LINGUAGEM, FORMAÇÃO DE CONCEITOS E GÉNESE DO PENSAMENTO


     Relativamente ao estudo da génese dos conceitos na infância, Vigostki critica a tradição – tradicionalmente, tendeu-se a dar relevância ao estudo dos conceitos já na sua fase de consumação. Deste modo, ao invés de promover a investigação dos meios e do processo, evolução e transformação por fases de desenvolvimento, tendeu-se para a avaliação dos conceitos já desenvolvidos, ou seja, para a análise não dos processos em si, mas do nível dos conhecimentos já adquiridos pelos sujeitos da experiência. O que Vigostki nos propõe será então o estudo do percurso da formação dos conceitos na infância e acima de tudo, o papel que a linguagem e a sua aquisição ocupa nesse processo.


     Vigostki, toma por ponto de partida os estudos de Ach e Rimat, a partir dos quais critica as tendências tradicionais, que defendem a concepção de que a formação de conceitos se baseia em conexões associativas, apoiadas pela perseverança. Assim, o desenvolvimento dos conceitos não poderá ser explicado com base numa simples associação de palavras a objectos concretos, posteriormente cimentada pelos mecanismos da memorização – o processo de formação de conceitos dependerá antes de mais nada do surgimento de um problema que levará à formação de novas possibilidades (a tendência determinante). Deste modo, a formação de conceitos será um processo criativo, e não um processo mecânico e passivo. Segundo Vigostki esta solução não é ainda suficientemente convincente, pois não especifica o que faz o pensamento infantil diferir do pensamento adulto – estaremos ainda no registo da intencionalidade. Para superar as ambiguidades e as lacunas presentes nos modelos descritos, ter-se-ão que considerar outros factores ainda não examinados pelos investigadores.


     Com Usnadze é introduzido no estudo da formação dos conceitos uma nova variável – a relevância que a comunicação com os adultos tem para o desenvolvimento inicial das competências linguísticas. Embora a criança ainda não esteja apta a raciocinar por conceitos puros, ou seja, por ideação abstracta, o contacto comunicacional com os adultos irá criar as condições para que se inicie o seu desenvolvimento. A criança começa desde cedo a desenvolver equivalentes funcionais de conceitos, embora funcionalmente o seu intelecto não funcione da mesma forma que o dos adultos. De realçar a importância que as palavras e os signos têm no processo da formação dos conceitos. Assim, aprender a pensar é antes de mais aprender a falar, e a comunicação sócio-relacional é o factor indispensável para tornar possível tal evento. O percurso da evolução do pensamento é o percurso da gradual abstracção por generalização que o domínio da linguagem irá sucessivamente possibilitando – a palavra será fundamental para o processo do desenvolvimento cognitivo, factor negligenciado por Ach.



publicado por Transbordices às 18:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Frango???

A Volta

O Vidrão

A Culpa?

A convicção

No princípio

Melhor que isto...

...

Será que agora vai?

Cá estamos

Estou Armado ao Pingarelh...

Do Mito à Natureza

A Vontade do Saber

O que é a Ontologia?

...

A Multa

A Marca

O Tempo visto por quem di...

Limites

...

arquivos

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO
subscrever feeds