Um bocadito para lá das aparências
Sábado, 12 de Janeiro de 2008
O Tempo visto por quem dispõe de muito

Gostaria de aqui deixar recomendada a leitura de “O Papalagui”, ou a releitura para os que já leram. “O Papalagui” é uma obra escrita sem hipocrisia, à imagem de quem não teme ser considerado ingénuo ou demasiado simplista – é dito, nada mais nada menos de o que se pensa, sem rodeios nem ambiguidades. Não deixa, contudo, na sua simplicidade, de invocar questões filosóficas e antropológicas da mais profunda seriedade. É um livro curto, que se lê rapidamente, mas que deixa uma marca duradoura.

 

 “O Papalagui” descreve a sociedade Europeia segundo as viagens do um chefe da tribo Upolu, pertencente ao grupo das ilhas de Samoa. Era uma vontade já antiga que levou Tuiavii a empreender uma longa viagem por zonas Europeias, de modo a conhecer as terras e os hábitos dos “Papalagui” (designação dada aos brancos naquelas regiões do pacífico). O livro tem por base as conclusões tiradas a partir das suas observações.

 

Vou deixar aqui transcritos alguns trechos do capítulo que Tuiavii dedica ao Tempo,

 

“O Papalagui nunca tem tempo”

 

Começa por descrever o relógio, referir os vários tipos de relógio, e a divisão do sistema horário. Depois continua assim…

 

(…) Ao ouvir o barulho da máquina do tempo, queixa-se o Papalagui assim: «que pesado fardo! Mais uma hora que se passou!» E ao dizê-lo, mostra geralmente um ar triste, como alguém condenado a uma grande tragédia. No entanto, logo a seguir principia uma nova hora!

Como nunca fui capaz de entender isto, julgo que se trata de uma doença grave. «O tempo corre mais veloz do que um cavalo!», «Dá-me uma pouco mais de tempo» - tais são os queixumes do homem branco.

Dizia eu que se deve tratar de uma doença… Suponhamos, com efeito, que um branco tem vontade de fazer qualquer coisa e que o seu coração arde em desejo por isso: que, por exemplo, lhe apetece ir deitar-se ao sol, ou andar canoa no rio, ou ir ver a sua bem-amada. Que faz ele então? Na maior parte das vezes estraga o prazer com esta ideia fixa: «não tenho tempo para ser feliz». Mesmo dispondo de todo o tempo que queira, nem com a melhor vontade o reconhece. (…)

 

(…) Pretendem alguns Papalaguis que nunca têm tempo. Correm desvairados de um lado para o outro como se estivessem possuídos pelo aitu (diabo) e causam terror e desgraça onde quer que cheguem, só porque perderam o seu tempo. Esse estado de frenesi e demência é uma coisa terrível, uma doença que nenhum homem de medicina pode  curar, doença que atinge muitos homens e que os leva à desgraça. (…)

 

(…) Reparei, muitas vezes, que eles, no meu lugar, se sentiam envergonhados quando, ao perguntarem-me a idade que tinha, eu não era capaz de responder a tal pergunta, que só me dava vontade de rir! «Mas não podes deixar de saber a tua idade!» Eu calava-me, pensando para comigo: mais vale não saber.(…)

 

(…) Raros são os que, na Europa, dispõem realmente de tempo. Ou talvez nem sequer existam. É por isso que eles passam a vida a correr à velocidade de uma pedra lançada ao ar. A maior parte olha para o chão, quando caminha, e balança muito os braços para ir mais depressa. Quando os detêm,  gritam indignados: «que ideia a tua, de me vires perturbar! Não tenho tempo! E tu, trata de empregar bem o teu!» Tudo se passa como se o que anda depressa tivesse mais valor e bravura do que o que vai devagar.(…)

 

(…) Vi um homem cuja cabeça parecia prestes a estoirar, e cujo rosto passava sucessivamente do vermelho ao verde, um homem que rolava os olhos em todos os sentidos, que abria a boca como um peixe que vai morrer e batia com os pés e com as mãos, tudo porque o seu criado chegara um pouco mais tarde do que tinha prometido. Esse atraso mínimo representava para o amo uma perda irreparável, O criado teve que se ir embora da cabana, pois o Papalagui expulsou-o, dizendo: «já me roubaste muito tempo! Quando um indivíduo não tem a mínima consideração pelo tempo, só estamos a perder o nosso com ele!»(…)

 

(…) O Papalagui emprega todas as suas forças, bem como a sua capacidade de raciocínio, em tentar ganhar tempo(…)

 

(…) A meu ver, é precisamente por o Papalagui tentar reter o tempo com as mãos, que ele se lhe escapa por entre os dedos, como uma serpente por mão molhada. O Papalagui nunca deixa que ele venha ao seu encontro. Corre sempre atrás dele de braços entendidos, não lhe concede o repouso necessário, não o deixa apanhar um pouco de sol, tem de ter sempre o tempo ao pé de si, para lhe cantar ou contar qualquer coisa. Mas o tempo é calma, é paz e sossego, gosta de nos ver descansar, estendidos na nossa esteira. O Papalagui não se apercebeu ainda do que o tempo é, não o compreendeu. É por isso que o maltrata, com os seus modos rudes.(…)

 

(…) Oh! Meus queridos irmãos! Nós nunca nos queixámos do tempo, amámo-lo e acolhemo-lo tal como ele era, nunca corremos atrás dele, nunca tentámos amalgamá-lo ou cortá-lo em pedaços. Nunca ele nos deixou desesperados ou acabrunhados. Se algum de nós há aí a quem falte o tempo, que diga! Todos nós o possuímos em quantidade, não temos razões de queixa, Não precisamos de mais tempo do que o que temos, temos sempre tempo de suficiente. Sabemos que atingiremos o nosso alvo a tempo, e que muito embora ignoremos quantas luas se passaram, o Grande Espírito nos chamará quando lhe aprouver. Devemos curar o Papalagui da sua loucura e desvario, para que ele volte a ter a noção do verdadeiro tempo que tem perdido. Devemos destruir as suas pequenas máquinas do tempo e levá-lo a confessar que há muito mais tempo do nascer ao pôr-do-sol do que ao homem lhe é dado gastar.(…)

 

Para aguçar a curiosidade e quem sabe -  levar alguns de vós a ler o texto integral



publicado por Transbordices às 19:46
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De so12 a 21 de Janeiro de 2008 às 12:55
Já li... há muito Tempo...


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Frango???

A Volta

O Vidrão

A Culpa?

A convicção

No princípio

Melhor que isto...

...

Será que agora vai?

Cá estamos

Estou Armado ao Pingarelh...

Do Mito à Natureza

A Vontade do Saber

O que é a Ontologia?

...

A Multa

A Marca

O Tempo visto por quem di...

Limites

...

arquivos

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO
subscrever feeds