Um bocadito para lá das aparências
Sábado, 24 de Novembro de 2007
O Desenvolvimento Cognitivo Segundo Vigostski -22
(...) 4. A importância da escola para o desenvolvimento - conceitos espontâneos e conceitos científicos (continuação...)

     Segundo Vigostki, a optimização dos processos mentais na sua evolução para o conceito puro, será por um lado um trajecto gradual – será impossível um conceito ser simplesmente transmitido pelo professor ao aluno “de uma vez por todas” - e por outro, um trajecto que complementa intrinsecamente os conceitos científicos e os conceitos espontâneos. A aquisição dos conceitos terá que passar por uma maturação gradual que depende da interacção com o meio, embora centrado nas estruturas cognitivas do aluno. Ao contrário de Piaget - que defende a relação entre o conceito espontâneo e o conceito não-espontâneo como um conflito destinado a ser ganho pelo pensamento extrínseco dos adultos -  Vygotski defende que o desenvolvimento natural dos conceitos será essencialmente um processo unitário, e não um conflito entre formas de intelecto antagónicas e mutuamente exclusivas. Por sua vez e ao contrário de Piaget, Vigostki considera que os conceitos científicos e os conceitos espontâneos se complementam, ou seja, que fazem parte de um mesmo processo de desenvolvimento, interagindo e contribuindo mutuamente para o amadurecimento intelectual dos jovens formandos. No entanto, defende que o conceito induzido é claramente mais profícuo – o aprendizado geralmente precede o desenvolvimento - pois promove a ascensão da criança para níveis intelectuais mais elevados. Não seria possível à criança abordar as questões trabalhadas na escola sem uma estrutura mínima já plenamente desenvolvida. Ao chegar à escola, a criança está já na posse de um sistema de conceitos que adquiriu espontaneamente. No entanto, não tem ainda consciência desses conceitos, pois foram adquiridos segundo acções práticas que não isolam e distinguem o agir e o acto mental idealizado pela acção. É aqui que os conceitos científicos se tornam essenciais. Ao ser confrontado com um sistema mais vasto, um sistema de sistemas, com varáveis diversas e diversificadas, a criança toma consciência plena do pólo centralizador que a capacidade de abstracção representa relativamente à mera relação unívoca com a singularidade da acção prática. Por outras palavras, a criança apercebe-se da sua capacidade reflexiva, e simultaneamente que pode organizar o mundo distanciando-se dele, apenas com o poder da sua imaginação - a sua mente pode ser muitas coisas, e todas as coisas podem ser diferentes na sua mente. É um mundo de possibilidades que se abre à sua frente.


publicado por Transbordices às 13:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Frango???

A Volta

O Vidrão

A Culpa?

A convicção

No princípio

Melhor que isto...

...

Será que agora vai?

Cá estamos

Estou Armado ao Pingarelh...

Do Mito à Natureza

A Vontade do Saber

O que é a Ontologia?

...

A Multa

A Marca

O Tempo visto por quem di...

Limites

...

arquivos

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO
subscrever feeds